728

Buscador mostra todas as vagas do 'Enem dos concursos públicos' de 2024, por órgão, escolaridade e salário

Share:

Edital será publicado nesta quarta (10); veja detalhes

Porto Velho, RO - Nesta quarta-feira (10), o governo federal divulgou o edital do Concurso Público Nacional Unificado, mais conhecido como "Enem dos concursos", que vai selecionar 6.640 servidores para 21 órgãos públicos.

Para ajudar na escolha, o DeltaFolha, núcleo de dados da Folha, elaborou um buscador que permite ao candidato ver quais são as oportunidades em cada ministério, instituição ou agência. É possível consultar por cargo ou órgão.

O resultado vai mostrar ao candidato o nível de escolaridade exigido, a quantidade de vagas oferecidas e o salário inicial de cada vaga.

Após a divulgação dos resultados do concurso, caberá a cada órgão estabelecer o cronograma de convocação para a posse dos novos servidores e, onde houver necessidade, para os cursos de formação. O buscador da Folha também informa se o órgão da vaga desejada exigirá algum curso.

Por exemplo, um candidato que digitar no campo de busca a palavra "analista técnico", receberá 11 resultados. Entre eles, as 90 vagas para analista técnico-administrativo da Advocacia-Geral da União, que exige nível superior e tem salário de R$ 6.761,72 a R$ 7.614,12.

As inscrições para o maior concurso já feito pelo governo federal serão liberadas em 19 de janeiro e vão até 9 de fevereiro. A prova unificada está prevista para o dia 5 de maio em 220 cidades do país. A Fundação Cesgranrio será a responsável pela aplicação.

A previsão é de que a primeira etapa do concurso seja realizada em um único dia, com provas objetivas comuns a todos os candidatos, seguidas por provas dissertativas e específicas de acordo com cada bloco temático.

No momento da inscrição, os candidatos deverão optar por um dos blocos das áreas de atuação que estiverem disponíveis. Depois, indicar o cargo ou a carreira por ordem de preferência entre as vagas disponíveis no bloco escolhido.

As áreas de atuação anunciadas até o momento são: administração e finanças; setores econômicos, infraestrutura e regulação; agricultura, meio ambiente e desenvolvimento agrário; educação, ciência, tecnologia e inovação; políticas sociais, justiça e saúde; trabalho e previdência; dados, tecnologia e informação pública, além do nível intermediário.

Entre os cargos há oportunidades para analista, técnico administrativo, engenheiro, assistente social, técnico em comunicação social, médico, economista, advogado, analista de comércio exterior, arquiteto, arquivista, médico, entre outras.

O maior número de postos a serem preenchidos é para auditor fiscal do trabalho, com 900 vagas. O salário para a função é de R$ 22,9 mil, segundo dados do Portal da Transparência do governo federal. O órgão que mais oferece cargos é o próprio MGI (Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos), com 1.480 vagas.

De acordo com o MGI, o edital apresentará "informações sobre os blocos temáticos, conteúdos das provas, critérios de classificação e desclassificação, lista de espera, cadastro de reserva, validade do certame e composição das notas finais".

Há um guia sobre o concurso, que orienta os interessados sobre os pontos nos quais o candidato deve prestar atenção durante o processo, como a permissão de apenas uma inscrição por CPF (Cadastro de Pessoa Física), além de ser específico ao optar pelo cargo no qual melhor se enquadra.

As informações estão no site oficial no concurso: https://www.gov.br/gestao/pt-br/concursonacional.

COMO SURGIU O CONCURSO NACIONAL UNIFICADO

A proposta de um Concurso Nacional Unificado partiu da ministra da Gestão e Inovação em Serviços Públicos Esther Dweck, que revelou em entrevista à Folha a ideia de juntar todos os concursos públicos.

"É um processo de democratização do acesso para se tornar servidor público, mas também no sentido de que há uma retomada do processo de contratação para o setor, reforçando o fortalecimento do Estado brasileiro", afirmou a ministra em entrevista à coluna da Mônica Bergamo.

Dweck disse ainda que a ideia da prova unificada nasceu a partir da constatação de que diversos órgãos federais estão há muito tempo sem concursos, e de que muitas das provas são realizadas nas grandes cidades. A experiência adquirida com a realização do Enem surgiu como uma inspiração para remodelar os processos seletivos.

Fonte: Folha de São Paulo

Nenhum comentário