728

Atendimentos de saúde em Calama são ampliados através de parceria da Prefeitura de Porto Velho com o “Projeto FOB USP em Rondônia”

Share:

Equipes e estrutura física da unidade de saúde estão à disposição para o trabalho dos voluntários

Porto Velho, RO - A expedição do “Projeto FOB USP em Rondônia” está no distrito de Calama para uma série de atendimentos de saúde, que acontecem até quinta-feira (1º). A ação conta com o apoio da Prefeitura de Porto Velho, através da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), que colocou materiais, equipamentos, equipe e toda a estrutura da Unidade de Saúde da Família da localidade à disposição para as atividades.

Essa é a 11ª expedição do Projeto FOB USP em Rondônia, da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB), da Universidade de São Paulo (USP). Cerca de 60 pessoas, entre alunos de graduação e pós-graduação dos cursos de Odontologia, Fonoaudiologia e Medicina, além de funcionários e professores da universidade, integram o grupo de trabalho.

Na área de Odontologia, estão sendo realizadas extrações dentárias, tratamentos odontopediátricos, orientação de higiene, entre outros atendimentos. Em Fonoaudiologia, entre os atendimentos estão a avaliação e intervenção terapêutica na área de linguagem adulto e infantil, avaliação audiológica em crianças, adultos e idosos, adaptação de aparelho auditivo em adultos e idosos.


Paciente teve atendimento fonoaudiológico e tirou o molde para a confecção do aparelho auditivo

Pedro Ferreira dos Santos, 78 anos, está entre os pacientes contemplados com o aparelho auditivo. Ele procurou a unidade no primeiro dia de atendimento do projeto com a queixa de baixa audição. Passou pela avaliação do médico otorrinolaringologista que constatou a necessidade do aparelho.

Em seguida, o paciente foi direcionado para o atendimento fonoaudiológico, onde tirou o molde para a confecção do aparelho auditivo, que também recebeu no mesmo dia. Pedro Ferreira chegou sem conseguir ouvir plenamente e saiu ouvindo perfeitamente, como ele mesmo conta.

“Fazia tempo que eu vinha sofrendo com dificuldade de escutar as pessoas, sem conseguir conversar direito. Não ouvia quase nada, até conversar com qualquer um era difícil. As pessoas tinham que falar alto para eu conseguir entender. Agora ficou bom demais, consegui ouvir as orientações dos profissionais aqui, estou ouvindo até o que não deveria”, gargalhou feliz o aposentado.

Na Medicina, os atendimentos estão sendo realizados através de demanda espontânea de Clínica Médica, com manejo clínico infantil e de saúde da mulher, além de atendimento médico domiciliar para acamados ou pessoas com dificuldade de locomoção, entre outras atividades.


Projeto realiza atendimentos para a adaptação de aparelho auditivo

SAÚDE DA FAMÍLIA

O distrito de Calama conta com uma equipe completa na estratégia de saúde da família, composta por um médico, enfermeiro, dentista, técnico de enfermagem e agentes comunitários de saúde.

Para Eliana Pasini, secretária da Semusa, o projeto é muito bem-vindo e desempenha um importante papel, pois amplia os atendimentos de saúde na localidade, levando especialidades que a atenção básica não fornece.

“Esse é um trabalho importante em que somos parceiros há muito tempo. A Semusa faz questão de participar para auxiliar na ampliação do atendimento de saúde para a população não apenas de Calama, mas de todas as comunidades adjacentes. Cedemos integralmente a estrutura da unidade de saúde para que os profissionais da USP consigam atender as pessoas. Nosso pessoal também está dando o suporte necessário, inclusive divulgando a ação para os moradores. Ficamos felizes com essa parceria”, afirma Pasini.

A previsão da coordenadora geral do projeto, Magali de Lurdes Caldana, é atender cerca de 200 pessoas até o último dia da ação em Calama. Ela também destaca a importância das parcerias para a realização deste trabalho.

“Sem os parceiros locais nada funciona, pois é o parceiro local que faz com que esse paciente entre na rede, tenha continuidade do tratamento, tenha um acompanhamento depois que nós vamos embora. Esse fluxo é o mais importante, sem ele não teria significado a nossa vinda aqui. Então, a parceria com a prefeitura é muito importante para a continuidade dessa assistência”, aponta a coordenadora.



Fonte: Superintendência Municipal de Comunicação (SMC)

Nenhum comentário