Ajuda a Gaza chega à fronteira, mas não há previsão de entrega - RONDONIA 319

728

Ajuda a Gaza chega à fronteira, mas não há previsão de entrega

Share:

Rafah é única passagem para Gaza, não controlada por Israel

Porto Velho, RO - Caminhões de ajuda egípcios se aproximaram nesta terça-feira (17) da única passagem para Gaza que não é controlada por Israel. No entanto, não há acordo para a entrega de ajuda e, com o lado palestino ainda fechado devido aos ataques, não está definido quando eles poderão passar.

Pelo menos 49 pessoas foram mortas em bombardeio israelense durante a noite em Rafah, onde fica a passagem, e na cidade vizinha de Khan Younis, informou o Ministério do Interior de Gaza.

Algumas pessoas com dupla cidadania, que se reuniram nos últimos dias aguardando a abertura da passagem de Rafah, começaram a se aproximar da fronteira nesta terça-feira, mas muitas disseram que estavam se afastando devido aos ataques aéreos.

Após nove horas de negociações, o secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Antony Blinken, disse nesta terça-feira que havia concordado com Israel "em desenvolver um plano" para levar ajuda a Gaza.

O Egito afirma que a passagem de Rafah, uma ponte vital antes dos combates e agora uma rota fundamental para suprimentos extremamente necessários para o enclave palestino sitiado por Israel, não foi oficialmente fechada, mas tornou-se inoperante devido aos ataques aéreos israelenses no lado de Gaza.

Cerca de 160 caminhões saíram hoje de al-Arish, na península do Sinai, no Egito, onde centenas de toneladas de ajuda estavam aguardando um acordo sobre a entrega, disse uma testemunha à Reuters.

Ahmed Salem, da Sinai Foundation, afirmou que os caminhões que se dirigiam à fronteira continham ajuda egípcia e que o apoio internacional permanecia em depósitos em al-Arish.

Salem e outra fonte de segurança disseram que o Egito consertou as estradas dentro da passagem, que haviam sido danificadas pelos ataques israelenses.

Israel iniciou intenso bombardeio e cerco a Gaza após um ataque devastador dos militantes islâmicos do Hamas em 7 de outubro.

Os 2,3 milhões de habitantes do território ficaram sem energia elétrica, levando os serviços de saúde e de água à beira do colapso, e o combustível para os geradores dos hospitais está acabando. Centenas de milhares de pessoas ficaram desabrigadas.

Um porta-voz da ONU informou na segunda-feira que não houve progresso na abertura de Rafah e que os combates nas estradas essenciais para a entrega de ajuda dificultavam a operação.

Fonte: AG/BR

Nenhum comentário