728

Onda de saques na Argentina aponta para disputa presidencial tensa

Share:

Dezenas de pessoas foram presas por saquearem lojas e mercados

Porto Velho, RO - Uma onda de saques a lojas e supermercados em toda a Argentina levou a dezenas de detenções, em um possível sinal de volatilidade crescente com uma inflação superior a 100% e uma disputa presidencial tensa nas eleições de outubro.

Os saques, desde a cidade de Bariloche, na Patagônia, até a região vinícola de Mendoza e ao redor da capital Buenos Aires, têm mostrado pequenos grupos de pessoas invadindo lojas, roubando alimentos e outros itens, segundo a TV estatal, autoridades e testemunhas.

Mais de 100 pessoas foram detidas em diferentes regiões, disseram autoridades. Vídeos e fotos mostram lojas invadidas e saqueadas, prateleiras vazias, pessoas tentando entrar à força nos supermercados e alguns pequenos incêndios. A polícia foi mobilizada para vigiar as lojas.

“Há alguns dias temos visto esse tipo de comportamento”, disse o ministro da Segurança, Aníbal Fernández, nesta quarta-feira (23). Ele alegou que os saques estavam sendo coordenados.

"Há um objetivo aqui de gerar algum tipo de conflito e tentamos evitá-lo", disse ele. “Isso não é espontâneo e não é uma coincidência.”

A Argentina, um grande exportador mundial de cereais, enfrenta uma inflação anual de 113%, o que está fomentando uma crise no custo de vida. Uma recente e acentuada desvalorização do peso elevou ainda mais os preços ao consumidor neste mês. O JP Morgan prevê que a inflação termine o ano em 190%.

A inflação acentuada está adicionando mais tensão a uma disputa eleitoral presidencial de três vias, atualmente liderada pelo libertário radical Javier Milei, que acabou derrotando a conservadora Patricia Bullrich e o ministro da Economia, Sergio Massa, nas primárias de agosto.

Milei, que prometeu dolarizar a economia e eventualmente desmantelar o banco central, aproveitou uma onda de raiva dos eleitores na Argentina por causa da inflação e das crescentes dificuldades, com cerca de quatro em cada 10 pessoas vivendo na pobreza.

“É trágico ver novamente, depois de 20 anos, as mesmas imagens de saques que vimos em 2001”, disse ele na plataforma X, anteriormente chamada de Twitter, referindo-se à crise econômica de 20 anos atrás. Ele acrescentou que não endossa a violência.

A porta-voz presidencial Gabriela Cerruti acusou Milei de promover os ataques para “desestabilizar” o país.

Bullrich, ex-ministra da Segurança e candidata da principal coligação conservadora de oposição, criticou os saques e destacou as suas credenciais de lei e ordem.

“A Argentina vive na desordem, e a desordem parece ser a regra”, disse ela. “Nada justifica estes ataques à propriedade privada ou a inação do governo. Precisamos de ordem e pronto.”

FMI

O conselho executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI )aprovou nesta quarta-feira a quinta e sexta revisões do seu programa de US$ 44 bilhões com a Argentina, o que permite o desembolso de US$ 7,5 bilhões que a economia do país necessita desesperadamente, disse o governo argentino.

“O conselho do FMI aprovou o desembolso de 7,5 bilhões de dólares”, afirmou o Ministério da Economia argentino em um comunicado.

O corpo técnico do FMI e a Argentina chegaram a um acordo no final de julho, o que deixou o desembolso pendente de aprovação do conselho.

As reservas cambiais líquidas da Argentina estavam no território negativo antes do desembolso e o país concordou com um empréstimo de US$ 775 milhões com o Catar, além de um empréstimo-ponte de US$ 1 bilhão do banco de desenvolvimento regional CAF e US$ 1,7 bilhão de um swap cambial com a China para fazer um pagamento ao Fundo neste mês.

O Fundo não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A próxima revisão do programa está prevista para novembro.

Fonte: AG/BR

Nenhum comentário